Contato +55 53 3284.8100 - comercial@companytec.com.br
 
  • A mais alta tecnologia em automação está presente a cada abastecimento que você realiza
  • Conheça o novo concentrador de bombas
    ● Moderno
    ● Robusto
    ● Seguro
  • Sistema de identificação de frentistas e clientes
    Instalação simplificada
    Ligação do sensor direto no cabo de comunicação da bomba com o concentrador
  • Solução Wireless Companytec
    Baixo custo de instalação
    Dispensa a instalação de cabos, eletrodutos, unidades seladoras e conduítes a prova de explosão
  • Novo conceito na automação de bombas
    Terminal Wireless Companytec

Home

O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, admitiu que a privatização da Petrobras deve acontecer, mas salientou que o movimento está “fora de cogitação” neste momento “Acho que vai acontecer, é um caminho, mas não dá para tocar todas as agendas”, disse, ao ser perguntado sobre o assunto durante o programa Roda Viva, da TV Cultura, na segunda-feira (2).


Nesta terça-feira (3), ao “Broadcast” (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado), o secretário de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia, Márcio Felix, descartou veementemente qualquer iniciativa deste governo para privatizar a estatal petroleira. Ele disse que “esse assunto não está em discussão, não existe hipótese disso acontecer neste governo”.

No programa de televisão, Coelho Filho afirmou que é necessário aproveitar o momento “para fazer algumas coisas, mas na velocidade possível”.

Durante a entrevista no Roda Viva, a economista Elena Landau, ex-conselheira da Eletrobras, avaliou que, atualmente a sociedade brasileira, com exceção de alguns grupos sindicais e políticos, apoia a privatização de estatais e defendeu que o governo deveria aproveitar o momento para avançar mais no programa de desestatização. “Por que não se aproveita o momento positivo e não se fala de Petrobras?”, perguntou.

“Concordo com tudo o que você falou”, disse o ministro, sugerindo que o tamanho do Estado fará parte da discussão da próxima campanha eleitoral. No entanto, ele considerou que a privatização da Eletrobras já é um “desafio enorme” para o ministério e que “precisa ser vencido diariamente”.

Ele salientou que, embora o volume de dívidas da petroleira seja superior ao da companhia elétrica, a relação dívida líquida/caixa da Eletrobras é quase o dobro da observada na Petrobras, o que justificaria a preferência pelo processo da elétrica.

Elena ainda questionou sobre o motivo pelo qual não se optou pela venda de uma fatia maior da BR Distribuidora. “A Petrobras tem o poder, depois de muito tempo, de ser dona de seu destino e de suas decisões”, respondeu o ministro. “Foi a falta de autonomia que levou a empresa à situação que ela tinha”, disse.

 

Últimas notícias